Pessoas Certas para Certos Problemas. Diferentes problemas necessitam diferentes ferramentas.

Pessoas Certas para Certos Problemas. Diferentes problemas necessitam diferentes ferramentas.

Olá pessoal!

Uma das grandes dificuldades é encontrar um método ou ferramentas que cabem como uma luva para os problemas ou melhorias necessárias… Há dezenas de métodos e centenas de ferramentas disponíveis no mercado, no Google, no You Tube, nos livros, mas diante deste universo quais que devo usar em cada situação diferente que tenho? Muitas vezes as pessoas se deparam com este tipo de dilema…

O fato inegável é que o maior segredo para atacar problemas ou realizar melhorias está na equipe, o time de pessoas que irá atuar. Isto é premissa de qualquer método existente e falaremos em breve…

Para tentar simplificar o dilema que colocamos anteriormente, vamos à figura abaixo, clássica em filosofias Lean Manufacturing e Six Sigma:

Fazemos a leitura desta árvore de maças de baixo para cima. Vamos lá:

As frutas derrubadas pelo vento – são os problemas simples ou mesmo que não sejam simples, mas que você sabe a solução, não requer investigação, você sabe exatamente o que precisa fazer para reparar este problema ou executar aquela melhoria. Por isso não requer método, você tem apenas que colocar as mãos na massa e fazer. É o que chamamos de “just do it”. Exemplos: consumo elevado de ar comprimido nas instalações de uma fábrica devido à vazamentos. Pegue e faça, execute, se já sabe que há muitos vazamentos, é “just do it”.

– As frutas mais baixas – são os problemas ou melhorias, que você não consegue resolver sozinho, muitas vezes não tem nem complexidade, às vezes sim, mas o fato é que são problemas que ocorrem e que requer um time reunido para atacá-lo. Podem ser centrados numa área, por exemplo, reduzir o tempo de setup (tempo de troca de ferramentas) de um equipamento ou pode ser um problema que ocorre ao longo de um fluxo, passando e interagindo com várias pessoas, por exemplo, demora na geração de uma NF (Nota Fiscal). Para estas situações, recomenda-se reunir um time para fazer um evento Kaizen ou workshops. Nada mais que pessoas reunidas com propósito em comum. São trabalhos que devem ser dedicados, com escopo específico e que tenha começo, meio e fim num período curto, geralmente não maior que 1 semana, se todos dedicados. Por exemplo, no caso do tempo de setup que falamos, seria reunir operadores, manutentores, engenheiros, supervisores e se dedicarem num evento Kaizen para buscar diminuir o tempo que a máquina fica parada para troca de ferramentas. No caso da geração de NF, seria reunir as principais pessoas do fluxo e juntas, estabelecer uma agenda e focar na velocidade e solução dos entraves que atrasam na geração da nota.

Frutas que estão no meio da árvore – São os problemas ou melhorias com complexidade baixa ou média e que requer um tempo de coleta de dados, análise informações, muitas vezes, realização de testes ou experimentos para então se colocar melhorias e acompanhar o processo após implementação de mudanças. Não são problemas que você irá resolver numa semana Kaizen ou com um workshop, mesmo que toda equipe fique dedicada uma semana inteira… Para este caso, recomendamos gestão de projetos, no caso, uso de metodologia DMAIC (Definir, Medir, Analisar, Melhorar e Controlar), que poderá ser aplicado várias ferramentas ao longo desta metodologia. Exemplo: seu nível de refugo é alto. O time escolherá um produto ou uma máquina e abrir um projeto para atuar com DMAIC ao longe de 3 a 6 meses. Outro exemplo, o leadtime do processo de compras é muito alto. Mesmo caminho, um time com pessoas de diferentes áreas irão se reunir, escolher um nicho de compras (MP por exemplo) e dedicar alguns meses para executar o projeto na busca de redução deste leadtime.

– Frutas altas, que estão acima – São os problemas complexos. Neste caso a sugestão de metodologia é idêntica às frutas que estão no meio da árvore. Tenha um time, trabalhe com DMAIC mas talvez seu projeto dure de 6 a 12 meses. Se for muito complexo e não for possível realizar até 1 ano, recomendo fortemente que quebre o projeto em pequenos projetos, como diz o ditado, fatie o elefante em bifes para poder encará-lo…

– Frutas do topo da árvore – geralmente é quando temos um problema ou melhoria a ser trabalhado e o time decide por abandonar os meios tradicionais, os processos atuais, tecnologias existentes e partem para um campo de design ou inovação. Passam a buscar algo totalmente novo, fora da caixa para atuação. Por isso a sugestão do DFSS (Design For Six Sigma). Neste caso, o time irá trabalhar sem bloqueios para buscar solução ou melhoria, podendo partir para uso de tecnologias diferentes, enfim, partir para inovação.

 

É interessante como esta analogia de métodos e a árvore de maças nos clareiam possíveis abordagens para possíveis problemas, ou seja, diferentes problemas necessitam diferentes ferramentas.

Agora, gostaria de trazer um outro olhar complementar a este, que são as pessoas certas para certos problemas. Vamos lá:

– Time – tenha as melhores pessoas para qualquer tipo de método ou ferramenta conforme citado anteriormente. Pessoas certas é mais de 90% de chance de bons resultados, independentemente do método ou ferramenta que usará.

– Consultor – um consultor pode ser muito bem vindo se a empresa não possui pessoas com conhecimento em condução de Kaizens ou Workshops, métodos de gestão de projetos, DMAIC, Lean Manufacturing, Six Sigma, Gestão de Mudanças, enfim, qualquer que seja a filosofia ou ferramentas que você decida usar em sua organização. Se não há pessoas com conhecimento para tal, é importante alguém que guie o time, isto ganha tempo e aumenta as chances de sucesso, além de passar segurança.

– Especialista – um especialista é mega bem vindo na falta de conhecimento técnico. E isto no geral, é muito pouco explorado nas empresas. Se sua empresa faz produtos químicos, por exemplo, por mais que tenham engenheiros, etc, a maioria atua no automático, poucos são os que exploram teorias de verdade, livros, fundamentos, de por exemplo partes dos processos como agitação, mistura, pigmentação, moagem, envase, etc… geralmente são pessoas que aprenderam estes processos na própria empresa. Conhecimento de um especialista para casos técnicos vale ouro e pode poupar muito esforço e tempo. Outro exemplo, se você atua em empresas de fundição de ferro ou alumínio, processos de usinagem, de tratamento de superfície, tributário, etc… sempre pense se há especialistas técnicos nestas áreas para suportar o time. Já vi por exemplo, especialista, Mestre e Doutores atuando em fundição e trazendo belíssimas ideias e sugestões. Também já vi especialistas em tributação economizando uma grana violenta pra empresa com poucas sugestões, especialista em embalagens e transporte, também dando show e trazendo muitos savings nas empresas, já que nem sempre possuem este tipo de profissional para o dia a dia…

– Networking + Benchmarking – tenha o hábito de usar seu networking profissional e redes sociais para prática de benchmarking. Conhecendo outros processos, outras empresas, etc, seu time pode ter ótimos insights, belas ideias, que talvez demoraria anos para ter… Este hábito é excelente e também traz resultados além de fortificar seu networking.

– Fornecedores – traga seus fornecedores, as pessoas que atuam no mesmo, para ajudar a solucionar junto algum problema que envolva suas matérias primas (MPs) ou componentes. Não perca tempo com seu time quebrando cabeça ou fazendo testes sem convidar seus parceiros e fornecedores que certamente poderão agregar valor.

– Clientes – por que não, dependendo da situação trabalhar em parceira com o cliente. Já participei de ótimos Kaizens em conjunto com cliente ou com um representante do mesmo no nosso time de trabalho. Também há muito valor agregado aqui. Dependendo a situação faça um teste, você poderá se surpreender.

Fiz esta abordagem acima, diferentes problemas necessitam diferentes ferramentas e as pessoas certas para certos problemas, no intuito de te ajudar mesmo, para que saiam das tradicionais rotinas de solução de problemas ou melhorias somente com o “time da casa”. Abra a cabeça e busque outros parceiros, que embora tenham um custo, pode ser praticamente nada perante o retorno ou benefícios que todos irão alcançar.

Em fase de crise, vemos muitos cortes nestas parcerias, mas infelizmente a mentalidade é totalmente de custo e não de retorno ou benefício, uma pena, realmente oportunidades desperdiçadas. Além do mais hoje em dia cada vez mais aparecem consultores, especialistas e parceiros que trabalho com sucess fee, ou seja, taxa de sucesso. Só irão cobrar algo de sua empresa, se você tiver resultados. Gosto muito deste tipo de profissional, pois não estão nas organizações para brincar e muito menos para procrastinar, como muitos assalariados fazem diariamente. Estas pessoas só terão seu ganha pão com resultados concretos. E reforço, é cada vez maior o número destes profissionais no mercado.

Vou ficando por aqui, muito obrigado, espero que de alguma forma tenha conseguido lhe inspirar e desejo uma ótima semana!

Forte abraços!

Prof. Alexandre Ávila

Constância de Propósito. Sustentação de qualquer iniciativa!

Olá pessoal!

Um dos Gurus da qualidade, fundadores de vários conceitos que hoje temos na modernidade e que funcionam em empresas que alcançaram o estado da arte em qualidade, Edward Deming, idolatrado no Japão, país que deu contribuição significativa no pós guerra, dizia já em um de seus 14 pontos: “Constância de propósito”. Como? Isso mesmo: constância de propósito e ponto final. Simples assim, assertivo, direto!

Algo tão antigo e que muitas organizações ignoram. Na verdade muitos gestores ignoram. Constância de propósito significa foco e foco proveniente do processo de liderança. Uma vez que se tem um programa, uma estratégia, uma direção, siga até o fim, não importa o que aconteça no meio.

Porém, hoje o ambiente é muito dinâmico e o propósito é algo que não é centrado na cultura da organização, no seu sistema, mas sim geralmente nas mãos de 1 ou pouquíssimas pessoas. Sendo assim, as pessoas se vão e o propósito se vai junto.

Quantos de nós não vimos isso. Diretores, gerentes, entram na empresa, criam um determinado programa, uma filosofia, uma estratégia, comunicam e em alguns anos vão embora, levando este propósito junto e então novo ciclo se inicia na organização, tudo novamente… Exemplo: A empresa XPTO recebe novo presidente e traz consigo enraizado a cultura Lean Manufacturing. Este é o driver, a direção, e então comunica toda organização, todos os níveis, investe pesado em treinamentos, iniciam-se os primeiros projetos e inclusive faz bons resultados. Tudo gira em torno do Lean. Até que 4 anos depois este presidente deixa a empresa e o programa esfria… por que? Por que o propósito estava na pessoa, no presidente, não se trabalhou a cultura, mas sim projetos isoladamente. E então novo presidente entra onde agora o propósito é o sistema TPM, e todo ciclo se inicia novamente…

Acredito que muitos já viram este filme e na verdade parece mesmo um longa metragem.

Como vimos há o propósito mas não há a constância. Logo, se percebe que a constância trabalha o longo prazo, forma líderes, e foca muito mais mudança de postura na liderança do que resultados imediatistas de projetos isolados. Num ambiente como o trabalhado por Deming foi isso que aconteceu, foi uma jornada de anos, formando e mudando pessoas e não processos. Ferramentas e programas muito bem comunicados, e liderança pelo exemplo, postura. E assim que o país se reconstruiu… e mais, a cultura ficou, mesmo quando Deming não estava mais.

Logo, não importa a filosofia ou ferramenta que queira trabalhar ou implementar na sua empresa. Pode ser Lean Manufacturing, pode ser Six Sigma ou mesmo TPM. Pode ser via Gestão de Mudança, pode ser via Análise e Engenharia de Valor ou então TOC (Teoria das Restrições)… todos são métodos, filosofias comprovadas, funcionam… trazem bons fundamentos, mas o mais importante é fazer a mudança centrada nas pessoas e não nos processos. Lógico, no Séc. XXI, todas empresas cobram resultados e há de se trazer benefícios no curtíssimo prazo. Mas trabalhar a liderança para o futuro, trabalhando atitudes e gestão pelo exemplo é trabalhar a cultura, é ter a constância de propósito, é o mais difícil, mas o resultado vale a pena.

Infelizmente temos visto centenas de empresas onde o propósito real é a política. Este sim perdura muito… São pessoas focando a superfície do Iceberg, enquanto os verdadeiros problemas e ineficiências se mantêm intocáveis… Decisões necessárias, são postergadas, é o elefante branco passando e ninguém atua. Não é tão diferente o que estamos vendo em nossos governantes… No fundo é a direção muito mais centrada em política do que benefícios reais para empresa ou organização. Vimos muitas atitudes que jamais seriam feitas se fosse mexer no bolso da pessoa que toma decisão. Infelizmente, está cheio disso e é o que nos mantêm longe de culturas e trabalhos de primeiro mundo. Não que em países de primeira não se tenha a famosa e velha política, todo lugar tem, mas não tão acentuada como temos visto. Os custos invisíveis da policagem é enorme, não tenho menor dúvida disso.

Desejo que se for implementar melhoria contínua, mudanças em sua empresa, em seu negócio, que tenha constância de propósito, que siga até o fim, independente de cenário econômico, das dificuldades e principalmente das pessoas que passam. Aliás, trabalhe a cultura, trabalhes as pessoas e com constância, dia a dia, o resultado certamente virá.

Desejo sucesso pra você!

Abraços!

Alexandre Ávila

 

Como escolher as pessoas certas para seu projeto. O guia definitivo para entrega de resultados e alta performance!

Olá pessoal!

Para gerenciamento de projetos pode ser usado diversas metodologias com objetivo de se buscar gestão de recursos. PMBOK, APQP, Six Sigma DMAIC, Lean A3, Engenharia e Análise de Valor, etc. São muitas teorias ricas em gestão de projetos disponíveis para estudo, e cada uma delas com seus enfoques, particularidades, etc. Algumas aplicáveis a qualquer tipo de projeto, sendo genéricas, porém com alguns gaps e outras dedicadas a alguma atividade, como exemplo, APQP, com foco em gestão de lançamento de novos produtos.

Sinceramente, recomendo que conheça todas, então seu conhecimento vale ouro e ninguém te segura! Você mesmo pode criar uma metodologia que melhor se aplica para cada tipo de empresa ou atividade que está atuando…

Um ponto não deixa dúvidas dentre estas metodologias. Todas, logo na fase inicial do projeto, geralmente na fase de iniciação ou concepção, antes ainda da fase de planejamento, passam pela seleção do time do projeto, as pessoas que farão parte.

E é aqui que se concentrará este breve artigo. Como escolher as pessoas certas para seu projeto?

Posso dizer com certa propriedade, após liderar n times em diversos projetos ou situações, em diferentes organizações, não só de trabalho em empresas, mas situações de liderança em trabalhos de faculdade, pós graduação, trabalho voluntário, num grupo da religião, esporte, etc…  que o fator determinante do sucesso de sua entrega, do alcance de seu objetivo é a qualidade do seu time de trabalho. Escolha as pessoas certas e você tem mais de 90% de chance de bater suas metas, seus objetivos, mesmo perante situações complexas ou adversas. É isso mesmo, o simples fato de ter um bom time lhe aproxima de seus resultados.

Portanto, invista tempo e trabalhe com muita persuasão na liderança para que tenha as melhores pessoas atuando com você, em seu time. Se conseguir… o resultado você já sabe…

Vi uma palestra com colega Rodrigo Raineri , o melhor alpinista brasileiro de todos os tempos, e este trecho que irei descrever também aparece em seu livro, No Teto do Mundo, realmente recomendo que leiam, é ótimo! Rodrigo nos conta que em uma das missões para chegar ao topo do Everest, enfrentando a morte de frente, eles estavam com um time muito bem engajado. Treinaram anos antes de estarem ali. A preparação física para objetivos assim é fundamental, alimentação, acompanhamento médico, etc, imprescindível. Mas Rodrigo, líder da expedição conta que não é tudo. Há outro fator forte e determinante que é a integração do time, sinergia entre as pessoas. No ano desta escalada, haviam um time de europeus, também muito bem preparados e com equipamentos top de linha, muito melhor que dos brasileiros e após acampamento 3, já considerado zona de morte, pela escassez de oxigênio, perante adversidades intensas como frio e vento extremo, cansaço físico, etc, o time europeu simplesmente não se manteve unido. Perante as extremas adversidades o time se perdeu e… resultado, o grupo de separou e pouco a pouco abortaram a missão. Já Rodrigo, passando por situações complicadíssimas, como a de ter comidas e equipamentos roubados em plena altitude, conseguiu vencer o desafio e não só atingir o teto do mundo como retornar em segurança com todo seu time. Recomendo leitura!

Outra situação muito legal, que ilustra a escolha do time certo: participei de um grande projeto numa empresa, de troca de sistema ERP. Este trabalho, em qualquer organização sempre será desafiador, pois é altamente complexo, pois lida com a empresa inteira e mudança de culturas e mindset de todos colaboradores. São “n” os obstáculos ou desafios. O presidente na época simplesmente teve uma atitude espetacular. Antes de iniciar o projeto, reuniu o time de diretores e escolheram a dedo as melhores pessoas da empresa, não apenas tecnicamente no que faziam, mas no comportamental, com bom relacionamento e persuasão em todos os níveis. Foram 6 pessoas escolhidas, todos eles gerentes excelentes em suas áreas e que dali para frente deixaram de atuar em seus processos e passaram a dedicar 100% de seu tempo no projeto de troca de ERP. Sabem o que aconteceu? Causou muita dor nas áreas que estas pessoas atuavam. Muita dor para os diretores que eram líderes diretos destes gerentes… Como poderiam estas áreas seguir em frente com a saída brusca e rápida destas pessoas? E foi justamente isso que ouvi da boca do presidente. Se causou dor na retirada destes líderes que de agora em diante irão participar do sistema de ERP, é porque escolhemos as pessoas certas… foi uma escolha inteligente… e o resultado após 1,5 ano com lançamento do novo sistema ERP… um sucesso (lógico que com alguns percalços, não há projetos assim que sejam perfeitos)!

Portanto, para escolher as pessoas certas, pensem sempre em:

– Aquelas que vivem ocupadas, correndo, que estão sempre altamente atarefadas, sobrecarregadas… Estas pessoas no geral, são assim, porque entregam… vale a pena;

– Aquelas com perfil de liderança, que possuem alto poder de persuasão, também são pessoas a se pensar em ter na equipe;

– Aquelas que conhecem o processo que o projeto trará impacto, que são especialistas técnicos, por exemplo, se seu projeto será em uma fundição, tenha pessoas que conhecem a fundo este processo, certamente farão a diferença;

– Aquelas que fazem um bom elo ligação entre a equipe do projeto e as pessoas da área que será impactada, ou os gestores que farão a decisão, são os conhecidos como conectores. Podem ser importante principalmente quando o projeto envolver a área afetada ou em momentos de decisão da liderança;

– Um bom patrocinador ou champion, geralmente uma pessoa da alta liderança, um gerente ou diretor, que tenha autonomia para tomada de decisão e liberação de recursos. Esta figura no time é fundamental;

– Por que não considerar, mesmo que com a participação pontual, especialistas externos, que não atuam na empresa mas que dominam o assunto que estarão trabalhando, uma espécie de consultor. Esta pessoa pode ganhar muito tempo para o time e trazer contribuições poderosas;

– Se possível, traga um forasteiro para o time, isso mesmo. O forasteiro é uma pessoa da sua empresa mas de uma área que não tem nada a ver com as atividades do projeto. É justamente uma pessoa de fora, com visão de fora, uma pessoa sem nenhum vício e nenhuma ideia pré-concebida. Já tive belas observações e sugestões de forasteiros em times de trabalho que liderei;

– Observe os líderes naturais de cada área ou processo. Sempre tem as pessoas que independentemente de terem o cargo de gestão, são lideres, devido a sua forma de agir e influenciar as pessoas ao redor. Fique de olho nelas, são geralmente eles que fazem boas entregas e motivam as pessoas a assim fazer também.

É isso, poderia discorrer mais e mais, pois falar do ser humano, esta estrutura complexa e linda que somos, é algo que sempre trará novos ângulos, perspectivas, etc. Não subestime a escolha das pessoas para iniciar um projeto. Recomendo inclusive que se não tiver liberação das pessoas que precisa, por “n” motivos, que procure postergar o inicio do projeto, para um momento que tenha estas pessoas ao seu lado.

Novamente, time certo, escolha certa é 90% de chance de sucesso. A consequência de ter as pessoas certas contigo só pode ser a alta performance e entrega de resultados.

Vou ficando por aqui, muito obrigado e ótima semana!

Abraços!

Alexandre Ávila

Como melhorar o seu marketing pessoal

Olá pessoal!

Gostaria dar uma dica de marketing pessoal, para você avaliar seu valor profissional. Há uma matemática simples por trás disso tudo. Você nada mais é do que o “valor que oferece” dividido pelo seu “custo”.

Aprendi isso com professor Marcelo Peruzzo, em um bom curso de marketing pessoal chamado iPerson.

É isso mesmo, você deve fazer algo na sua empresa boferecer um trabalho ou valor, por outro lado você representa um custo para mesma. Este custo é composto da parte financeira (seu salário), somado os ordenados (todo custo que a empresa paga além de seu salário, podendo ser até 150% do seu salário) e o custo de personalidade (é isso mesmo, cara chato custa pra empresa e o cara legal demanda menos para empresa).

Vejamos 2 exemplos:

Exemplo 1

Antônio é vendedor e ganha R$10.000,00 / mês. Custo ordenados (80%) = R$8000 e custo personalidade = ALTO (é muito mala, chato, arrogante, etc). Antônio vende / fatura para empresa R$500.000,00 / mês.

Exemplo 2

Estela tb é vendedora e ganha R$10.000,00 / mês. Custo ordenados (80%) = R$8000 e custo personalidade = BAIXO (bom relacionamento, querida por todos, etc). Estela vende / fatura para empresa R$100.000,00 / mês.

A pergunta fica pra vocês…

Quem a empresa ficará para trabalhar num momento de crise ou num período de reestruturação?

Lembre-se, o mundo quer RESULTADOS!! E não se esqueça, o chato pode estar larga distância a sua frente.

Sinceramente, você já parou pra pensar nisso? Qual é seu balanço? Sua equação? O valor que você está oferecendo paga seus custos? O que você traz de diferencial hoje? E amanha? E depois? Aliás a coisa não para… ser bom hoje não significa continuar sendo amanha… A vida ensina isso e muitas vezes pela dor e não pelo amor.

Já vi muitos colegas e alunos se queixando que estão há anos na empresa e que a mesma contrata profissionais que fazem “menos” que eles e ganham o “dobro”, o “triplo”… Ou ainda pessoas que possuem muito menos tempo de casa e crescem rapidamente, deixando a maioria para trás.

Sinceramente, deixe o orgulho de lado e tente enxergar o que estas pessoas tem de diferente, nós como seres humanos olhamos apenas os defeitos dos outros, mas convido que faça este exercício. Analise com atenção e verá que muitos dos casos estas pessoas tem motivos para estar lá, a frente, além disso, é importante que fique claro que nem sempre estes motivos são técnicos, mas comportamentais, posturais, entre outros.

São pessoas que, tecnicamente, ou no produto de sua empresa, podem conhecer muito pouco, mas que irão aprender com o tempo, porém trazem ousadia, transparência, comportamentos que demais colegas passarão anos ou décadas e não irão se mudar se não reconhecerem seus erros e estiverem dispostos para tal.

Perante sua resposta, sua análise, você está ganhando a média de mercado (vc não tem diferencial, é igual a maioria)? Está ganhando pouco? Ou ganhando muito (tem diferencial)? Somente você poderá responder!

Seja dono de seu destino, não acredite em sorte, faça acontecer! Não deixe o mundo, as empresas, o chefe, ou qualquer outra coisa dominar suas atitudes, não seja marionete do sistema. Seja você mesmo. Trace sua rota, defina seus objetivos e corra atrás, independente das dificuldades do caminho. Está aí uma forma de alcançar o sucesso. Entregue mais valor que seu custo.

E aproveitando que falamos de valor, vai aí um pouco mais do que te prometi no título deste texto.

Leitura: uma base essencial para quem deseja alcançar o sucesso profissional

Conhecimento anda lado a lado de livros e experiências.

Você não gosta de ler? Então aprenda a gostar, por favor!

Gostaria de ressaltar a importância da leitura, algo que vem se perdendo cada vez mais entre as gerações. Em minha área, engenharia, a maioria não gosta mesmo de ler.

Hoje, a pessoa que lê bastante, certamente também está alguns passos a frente dos que não o fazem. Estas pessoas desenvolvem seu vocabulário, aumentam sua cultura, discorrem sobre temas diversos, escrevem muito melhor, entre outros benfícios que não são possíveis de contar.

Gostaria ainda de ressaltar que não basta ler apenas assuntos de sua formação específica ou mesmo de sua atuação.

Por exemplo, se sou engenheiro civil, não basta apenas buscar leituras e mais leituras apenas na engenharia civil ou assuntos correlatos, aliás, isto é OBRIGAÇÃO. A boa e velha leitura que me refiro é de temas ou nichos de conhecimento que não são de seu domínio. Sim, é isto mesmo. Para ampliar seu vocabulário, sua cultura, seu saber, buscar leitura na sua área base é mandatório, mas buscar leituras complementares, em áreas que não são seu “porto seguro”, aqui sim estará o seu diferencial.

Invista em livros,  inclusive os caros (são os melhores), tenha o hábito de ler artigos, revistas e jornais (que não apenas os que manipulam informações). Quanto mais você lê, mais opinião própria você terá, mas você fortificará seu “eu”, mais preparado você estará para vida! Buscar conhecimento novo, conhecimento diferente e opiniões diversas te robustece, abre seu campo de visão e faz com que sua criatividade seja mais e mais maximizada.

Resumindo, leia conteúdos de seu conhecimento (obrigação) e também os que você é ignorante, os que você não conhece.

Não economize com livros, isto não é despesa, é investimento!!! Inclusive, vai uma ótima dica para comprar livros com preços acessíveis.

É um sebo virtual que sou cliente há anos. Busque no Google por “livronauta”. Basta fazer o cadastro e boa diversão!

Compare os preços com outros sites, outras livraria, sebos de sua cidade, é muito bom. Não ganho comissão e não sou sócio do site. É apenas uma dica mesmo para que ganhem gosto e se apaixonem por ler.

Para o Neuro Lean Sigma há biografias intermináveis, é apaixonante, é fantástico e quanto mais leio mais percebo o quão ignorante sou (no bom sentido) e ainda o quanto de oportunidade para aplicação de ferramentas existe, o potencial é enorme.

Amo esta frase, mas não sei o autor:

Quem não lê vive apenas uma vida. Quem lê vivencia várias vidas!

Fantástico não?!

Vou ficando por aqui, espero ter agregado algo com estas duas dicas quentes de marketing pessoal, seu valor e leitura! Mãos à massa?!

Sucesso e leia muito!

Alexandre Ávila